Luz na passarela

Já faz um tempo que penso em escrever sobre este assunto, mas sempre acabei postergando por um motivo ou outro. Por estarmos nos últimos dias de 2020, o ano mais estranho da história recente da humanidade, o que faria mais sentido neste momento seria trazer alguma reflexão justamente sobre as lições aprendidas durante a pandemia. Lições de vida, a importância de se cuidar da saúde, nossa capacidade de adaptação, quebra de paradigmas etc. Mas já que o ano foi estranho, vamos falar de um assunto também estranho, polêmico e, aparentemente, fora de contexto: a genialidade do fenômeno É o Tchan.

Mas que sentido tem eu escrever sobre isto? Respondo com outra pergunta: que sentido teria misturar Japão com axé music? Aparentemente, nenhum, mas eles conseguiram fazer isso e o resultado foi mais um de seus inúmeros sucessos, este chamado de Ariga Tchan.

“Vem do Oriente
Pra mexer com a gente
Vem quebrar gostoso, aqui no Ocidente
Sei que você gosta
Sei que você deixa
Todo mundo ligado na dança da gueixa”

Sim, tem sentido eu escrever sobre É o Tchan. Parte do meu trabalho é saber usar bem as palavras (ou pelo menos tentar). Escolher quais são as certas, na melhor sequência, de preferência de forma original, objetiva e persuasiva. E a turma do Tchan sempre soube fazer isso muito bem lá nos anos 90. Bastava ouvir uma ou duas vezes uma nova música e ela já grudava em nossa memória para nunca mais sair dali. Evidentemente que isso acontecia também porque era impossível ouvir uma música somente uma ou duas vezes, pois elas estavam presentes em todas as rádios, todos os programas de TV, em todas as casas. Você podia até não querer (como era o meu caso), mas ouvia. E fazer isso acontecer dessa forma e nessa intensidade também tem a ver com um bom trabalho de comunicação e gestão.

Outro ótimo exemplo da forma inteligente como eles conduziam os negócios (sim, estamos falando de negócios tanto quanto de música) foi o momento da saída de Carla Perez, a então grande estrela do grupo, idolatrada em todo o Brasil. O que poderia ser uma crise se transformou em um novo fenômeno: um concurso para eleger a nova loira do Tchan no programa de maior audiência das tardes de domingo, o Domingão do Faustão. Quem é brasileiro e tem mais de 25 anos de idade sabe o que isso significa. A cada semana, diversas candidatas se apresentavam numa espécie de campeonato eliminatório que elegeu Sheila Mello como a nova loira do Tchan, conquista que também virou música.

“Luz na passarela que lá vem ela
Luz na passarela que lá vem ela
A nova loira do Tchan é linda
Deixa ela entrar
É linda, deixa ela entrar
É linda”

Pluralidade de públicos também era outra virtude do É o Tchan. O sucesso acontecia entre crianças, adolescentes, adultos, idosos, homens, mulheres, gays, pobres, ricos, classe média, enfim, eles davam um jeito de fazer quase todo mundo gostar deles, ou pelo menos saber cantar ou dançar suas músicas. E aí tem mais uma virtude: eles eram “multimídia”, pois o sucesso se dava em forma de música, mas também em forma de dança. Um reforçava o outro e o combo ficava muito potente. Jacaré, Scheila Carvalho, Sheila Mello, Beto Jamaica e Compadre Washington eram o sucesso em sua máxima potência. A música e a dança se desdobravam em outros subprodutos que derivavam deste sucesso. Participações em campanhas publicitárias, brinquedos, licenciamentos, capas de revistas, eventos etc. Enfim, é inegável a capacidade que eles tinham de transformar frases simples em ouro.

Houve falhas? Certamente. Existem aspectos questionáveis sobre o grupo, músicas, danças e seus integrantes? Com certeza também. É importante entender o contexto dos anos 90 e que os valores da sociedade mudaram muito em todos esses anos? Fundamental. E cabe aqui até uma visão otimista sobre isso tudo, uma vez que hoje a tolerância a coisas desse tipo seria bem diferente. Talvez tenha havido, sim, uma evolução da sociedade. Então, passados esses filtros, fica registrada aqui minha admiração pela competência artística e comercial do É o Tchan e, por que não dizer, pela história que eles escreveram na cultura popular brasileira.

E para encerrar em grande estilo, deixo aqui quatro trechos de músicas do É o Tchan que merecem ser relembrados. Eu me divirto pensando no momento em que o compositor colocava essas palavras no papel. É poesia pura!

 

“A malhação faz bem ao coração
O corpo fica igual a um violão
Abdominal não será em vão
Agachamento, barra, supino e flexão”

“Agora, pare
Pegue no bumbum
Agora, desce
Pegue no compasso”

“Hoje na floresta
Vai rolar a festa
Hoje na floresta
Quem quiser pode chegar
Até Tarzan
Tá botando pra quebrar”

“Toca esse pandeiro
Taca a mão no couro
Que esse suingue tá pra lá de ouro
Colar havaino, abadá
Pareô, saruniguê, coqueiral
Guitarra havaiana (abadá)
O Tchan é a mistura tropical”

 

Foto: Márcio Costa e Silva – Arquivo CORREIO

Ivan Malusá Romanini
Ivan Malusá Romanini
Adiciona Ivan à sua rede de contatos.